A REDE T APRESENTA O PAÍS

A revista Inter Magazine espelha o que acontece na gastronomia em Portugal há mais de 30 anos. Uma das suas missões contempla mostrar Portugal como um todo e, aliada à Rede-T, sua parceira de longa data, vai apresentar em formato rubrica, uma vez por mês, um conjunto de cozinheiros e cozinheiras das diversas regiões do país, gerando diversidade e equilíbrio nas escolhas. Interessa-nos conhecer as pessoas por detrás das pessoas, o seu trabalho, percurso e visões. Gente fora do mainstream e que muito contribuem para o presente e futuro da cozinha em Portugal

 

Natural de Évora, de uma pequena aldeia de nome S. Miguel de Machede, cresceu com os tradicionais sabores da cozinha alentejana.

Filipe Rebocho

Nascido na Trindade, na baixa da cidade do Porto, os sabores que melhor recorda da infância são os de casa, claro está, em que não faltavam pratos como as tripas à moda do Porto, o arroz de Sarrabulho, a feijoada à brasileira e o tomate Coração de Boi a acompanhar tudo

Hugo Rocha

Natural de Faro, dividiu a sua infância entre o Algarve e o Alentejo e, até aos dias de hoje, tem bem presente as memórias das laranjas acabadas de apanhar das árvores, dos bolos de amêndoa das vitrines das pastelarias e do cozido de galinha com grão da mãe.

Filipa Carmo

Natural da Moita, Mauro Álison guarda uma infância feliz e simples nas ruas da vila, a brincar entre cantos e recantos e a apanhar, sempre curioso, amoras no campo, lagostins no Parque Municipal e lamejinhas na praia do Rosário.

Mauro Álison

Oriundo de Braga, região do Minho, Hugo Alves cresceu na casa rústica da avó, onde guarda na memória o cheiro a cebola tostada, o famoso estrugido, e o sabor das batatas fritas caseiras, cortadas à mão, com todo o amor e a paciência do mundo.

Hugo Alves

Natural de Nantes, Trás-os-Montes, Catarina Nascimento nasceu em casa de boas cozinheiras

Catarina Nascimento

Nasceu na Madeira, no seio de uma família que sempre levou o tema da comida muito a sério.

Joana Gonçalves

Nasceu a norte, na vila de Fão, Esposende, em Braga, região de boa comida e mesa farta. Não é de estranhar que Arroz de Lampreia à moda do Minho, Rojões à Minhota ou Tripas à Moda do Porto sejam algumas das suas comidas de eleição.

Mauro Loureiro

Nascido nas Caldas da Rainha, passou grande parte da sua infância na Benedita, terra dos seus pais e lugar onde guarda memórias da sua avó a cozer pão no forno a lenha.

Ricardo Raimundo

Nascido em Tavira, cidade onde ainda hoje tem morada e onde provou bem jovem, pela primeira vez, muxama de atum, o seu produto de eleição algarvio.

Adérito de Almeida

Nasceu em Braga, numa família com raízes minhotas e transmontanas e recheada de bons cozinheiros e cozinheiras. Entre os bancos da cozinha, lembra-se de espreitar para o tacho sempre com grande curiosidade.

Helena de Carvalho

No cartão de cidadão está registado que é de Lisboa, mas quem o conhece sabe que na alma transporta as raízes da família de Trás-os-Montes e de todos os sítios por onde passou.

Ricardo Leite

O “bichinho” da cozinha veio do pai, cresceu com o seu ensopado de borrego de “outro mundo” e com o sabor dos peixes que as gentes do Seixal tanto gostam.

André Santos

Nuno Fonte e Inês Beja, ambos cozinheiros e parceiros de vida, nasceram e cresceram a pouco mais de 20 quilómetros de distância um do outro: ela em Mangualde, ele em Canas de Senhorim, terras pertencentes ao distrito de Viseu.

Nuno Fonte e Inês Beja

O cheiro a fumo vindo da cozinha do restaurante dos pais, os fornos a lenha a trabalhar, a cor vibrante dos alguidares de barro e os fumeiros expostos sempre estiveram bem presentes na vida de António Queiroz Pinto

António Queiroz Pinto

Do banco da cozinha da avó para o fogão, os seus olhos fintavam atentamente todos os seus passos: do corte da cebola à preparação do peixe.

Eulitério Assunção

De frente para o mar, o seu local de inspiração, Daniela Polido nasceu e cresceu dentro do Celmar, um clássico da Praia do Meco, em Sesimbra.

Daniela Polido